ESSA TAL RESILIÊNCIA



14 junho, 2021
Autoconhecimento

Já disse Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas: “A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.”

 

Eu acrescentaria: e resiliência. A vida também quer da gente resiliência.

 

Pelas ciências humanas ela pode ser definida como a nossa capacidade de enfrentar as adversidades da vida sem perder a nossa autenticidade e sem abandonar nossos valores, a nossa essência.

 

Como na quase totalidade dos assuntos relacionados à inteligência emocional, o conceito é mais simples do que a prática. Fácil falar de resiliência, desafiador vivê-la.

 

Desafiador nos reequilibrarmos constantemente entre as tantas adversidades que nos acontecem. Existem sentimentos e reações que nos acometem, se não a todos, à maioria de nós quando estamos diante de algum grande problema, crise ou situação grave. Isso já foi objeto de estudos diversos, e deu origem inclusive à curva da mudança Kübler-Ross, criada pela psiquiatra suíça Elisabeth Kübler-Ross.

 

A professora Elisabeth tinha o objeto de ajudar as pessoas a lidarem com o luto, com as perdas e traumas, e, portanto, mapeou e estudou os sentimentos humanos diante dessas situações. Tal estudo acabou dando origem a outras metodologias de gestão de mudança, que hoje são inclusive amplamente utilizadas no mundo corporativo.

 

A partir de um evento ruim o primeiro sentimento que vivenciamos é o choque, a surpresa. Logo em seguida vem a negação, a procura (muitas vezes inútil) de que o que está nos acontecendo não é verdade. A partir daí, frustração, raiva, depressão. Quase como se estivéssemos indo para o fundo. O fundo de um poço. Mas, ultrapassado esse “fundo”, começamos a emergir. Emergir como uma energia de aceitação, e, em muitos casos, até mesmo um certo engajamento e positividade com o que podemos vivenciar em seguida. Fazer do limão uma limonada… já ouviu essa expressão? E, por fim, a curva da mudança nos traz o sentimento de integração. Se conseguimos passar por todo esse caminho, surgiremos como um novo indivíduo, maior e melhor.

 

É claro que cada caso é um caso. Existem problemas mais sérios que outros, situações mais desafiadoras que outras. Feridas que demoram mais tempo para sarar e cicatrizar. Mas, no final do dia, ultrapassar obstáculos é o maior exercício para desenvolver o “músculo” da resiliência.

 

Sim, como qualquer habilidade emocional, ela pode ser desenvolvida. Ninguém nasce resiliente. Alguns têm mais energia para enfrentar os desafios que a vida apresenta, mas isso pode – e deve – ser aprendido. Quer praticar a resiliência? Pense nela como um conjunto de atitudes.

 

VEJA. Veja o que está realmente acontecendo, os dados e fatos da situação.

 

SINTA. Tome consciência do que está sentindo, de todos os seus estados emocionais.

 

DEIXE IR. Aceite que as coisas já não serão mais as mesmas e desapegue.

 

DEIXE VIR. Observe a situação sob um novo olhar, avalie as alternativas e o lado bom, se houver.

 

RECONECTE-SE. Ao que é importante pra você. Ao que ajuda você na superação. A fé, os amigos, a família, uma atividade física, um livro, um propósito maior. Tantas coisas nos ajudam a caminhar.

 

FAÇA. O que é preciso fazer. O que a vida está pedindo de você. Muitas vezes, temos que fazer o que é preciso, nem sempre o que queremos. Se comprometa com o que precisa ser realizado por você.

 

Não é fórmula mágica. São ações conscientes que podem ajudar – e muito –  a passar pelas pedras do caminho.

 

 

 

______________________________

LUCIANA GALLO

Luciana Gallo é co-fundadora da Amadoria, facilitadora de processos colaborativos, de desenvolvimento pessoal, e de mudança organizacional. Mentora e palestrante, ajuda as pessoas a (re)significarem suas vidas e trabalhos. Atua na expansão do conhecimento e da consciência da pessoa e do profissional dentro das organizações e das comunidades.

posts relacionados



Autoconhecimento
Quem (bem) se comunica, seus males desco

Entra ano e sai ano, entra década e sai década, entra século e sai século, e

leia mais +
Autoconhecimento
ESSA TAL RESILIÊNCIA

Já disse Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas: “A vida é assim: esque

leia mais +
Autoconhecimento
CUSTOS QUE A GENTE NÃO CONTABILIZA NA V

Algumas coisas nos custam absurdamente. Mas nem sempre a gente para pra pensar n

leia mais +

explore as categorias


bem-estar

autoconhecimento

Arte

amor
Quer saber de todas as novidades?
Assine nossa newsletter!
© 2021 Amadoria. Todos os direitos reservados.