A vida como ela é (ou… lições que aprendi assistindo à série This is Us)



27 novembro, 2020
Autoconhecimento

A série de TV americana This is Us – com suas quatro temporadas disponíveis na Amazon Prime, e a quinta começando a ser exibida nos canais a cabo – está entre as minhas favoritas.

 

O primeiro motivo que me leva a sempre tecer elogios, e sugerir que todos assistam, não é o fato de eu chorar rios em cada episódio, ao que, confesso, já me acostumei. O que me leva a indicá-la constantemente é que ela mostra a vida como ela é, com seu lado bom e ruim, com os erros e acertos de cada ser humano.

 

Outro dia ouvi, em um tom revoltante: “como podemos celebrar a vida com tantas mortes?”

 

Sem correr o risco de parecer desconectada da realidade, insensível, ou a favor de aglomerações – porque de fato não sou nada disso – ao ouvir essa frase, me perguntei: “mas essa não é a nossa vida, não foi sempre assim?”

 

Não estamos, todos e cada um de nós, sujeitos a eventos felizes e tristes, alguns deles até concomitantes? Não vivenciamos, em um único dia, momentos de amor e de dor que tantas vezes se sobrepõem? Não somos, em uma única hora, pessoas das quais nos orgulhamos e das quais nos envergonhamos, de acordo com nossas atitudes e escolhas?

 

Há alguns anos atrás recebi uma ligação com a triste notícia de que uma cliente minha havia morrido. Morreu no parto, após ter dado à luz a duas lindas meninas, gêmeas. Fui para o enterro com um misto de tristeza e alegria. E essa mistura era revoltante. Saber que quando finalmente o que ela queria tanto (ser mãe) aconteceu, ela não estaria presente para viver.

 

Abraçar a vida como ela é. Não podemos deixar de viver nenhuma parte dela. Chorar quando tem que chorar, até a última lágrima, e rir e celebrar (da forma como puder) os momentos de prazer, amor e alegria, quando estivermos diante deles.

 

Os personagens fictícios dessa série norte-americana têm outra característica em comum. São corajosos para viver. Não se poupam. Taí mais uma lição.

 

Mas atenção, cuidado para não confundir: não se poupar, ter coragem pra viver, não significa se jogar de um penhasco aos fins de semana, pular de paraquedas ou surfar ondas gigantes. A coragem da qual falo é a coragem para as “pequenas coisas”, que na verdade não são nada pequenas: reconhecer a sua vulnerabilidade, pedir ajuda, enfrentar os próprios fantasmas e medos, do tamanho que forem. Colocar vontade, intenção e ação no que precisa ser feito, se mostrar por inteiro, tentar mais de uma vez antes de desistir.

 

Dê esse presente a você. Não se poupe.

 

______________________________

LUCIANA GALLO

Luciana Gallo é co-fundadora da Amadoria, facilitadora de processos colaborativos, de desenvolvimento pessoal, e de mudança organizacional. Mentora e palestrante, ajuda as pessoas a (re)significarem suas vidas e trabalhos. Atua na expansão do conhecimento e da consciência da pessoa e do profissional dentro das organizações e das comunidades.

posts relacionados



Autoconhecimento
Quem (bem) se comunica, seus males desco

Entra ano e sai ano, entra década e sai década, entra século e sai século, e

leia mais +
Autoconhecimento
ESSA TAL RESILIÊNCIA

Já disse Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas: “A vida é assim: esque

leia mais +
Autoconhecimento
CUSTOS QUE A GENTE NÃO CONTABILIZA NA V

Algumas coisas nos custam absurdamente. Mas nem sempre a gente para pra pensar n

leia mais +

explore as categorias


bem-estar

autoconhecimento

Arte

amor
Quer saber de todas as novidades?
Assine nossa newsletter!
© 2021 Amadoria. Todos os direitos reservados.